Resíduos Sólidos


Nas unidades, o gerenciamento dos resíduos sólidos originados ao longo dos processos produtivos é feito com o intuito de dar a destinação correta aos materiais, esgotando as possibilidades de tratamento e/ou recuperação. Nesse sentido, a gestão abrange diversas frentes:

  • Triagem de materiais: as unidades adotam programas de coleta seletiva. Assim, no processo de descarte, os resíduos são separados em diferentes classificações, o que permite gerar valor a esses materiais. De acordo com as características que apresentam, são reutilizados, reciclados ou recuperados, observando requisitos legais e exigências dos órgãos ambientais de cada país.
  • Conscientização e treinamento: os funcionários participam de treinamentos periódicos sobre o tema, e são continuamente orientados para que façam o correto descarte do material em suas rotinas de trabalho.
  • Rígidos procedimentos para armazenamento, transporte e descarte de produtos considerados perigosos. Também são feitos monitoramento ambiental e planos de contingência segmentados por tipo de ocorrência e de substância. Todo o acompanhamento da destinação de resíduos perigosos é feito pelo sistema de gestão ambiental implementado nas unidades.

Na cadeia de valor, a legislação ambiental dos diferentes países e localidades determina o controle e gestão dos resíduos gerados no processo de criação dos animais. Adicionalmente, a companhia oferece diretrizes aos fornecedores, sobre esse tema, por meio do programa Marfrig Club. Com orientações específicas, recomenda que os fornecedores observem, no mínimo, as seguintes ações:

  • Adotar recipientes para coleta de lixo, distribuindo-os em locais estratégicos, como as instalações de manejo, para que seja feito o descarte de embalagens vazias de medicamento.
  • Possuir plano documentado, compreensível e atualizado que trate de questões relacionadas a redução de resíduos, poluição e reciclagem, considerando a contaminação do ar, solo e água

Em relação aos resíduos orgânicos, classificação na qual o esterco se enquadra, a Marfrig aconselha que seja submetido a processos de compostagem, sendo reintroduzido na própria propriedade, como adubo para a pastagem. É importante que o fornecedor faça análises periódicas do solo, acompanhado por técnico competente. Para a compostagem do esterco gerado na propriedade, há publicações que podem auxiliar os produtores, como a publicada pela Embrapa. Conheça aqui o material.