Efluentes


Nas unidades, para que os efluentes - originados do uso da água potável nas rotinas e processos operacionais - tenham o correto tratamento, evitando impactos ambientais quando forem lançados em solo ou corpo hídrico receptor, a Marfrig adota diversas medidas. Além disso, a empresa está desenvolvendo novos critérios e metas relacionados ao volume e à qualidade do efluente descartado, que serão reportados no ciclo de 2020 do CDP. Os dados referentes à geração, por sua vez, serão auditados a partir de 2020.

  • Estações de Tratamento de Efluentes (ETE): todas as unidades contam com essa estrutura, projetada para receber e tratar os efluentes gerados nas diversas etapas produtivas. Para garantir que não haverá danos ao meio ambiente, as águas residuais passam por tratamentos físico-químico, seguidos por biológico, para que, no fim do processo, atendam aos padrões de lançamento exigidos pelas legislações federais ou estaduais aplicáveis. Para manter os processos em funcionamento de forma adequada, investimentos são realizados e tecnologias são testadas, buscando sempre a melhoria contínua, reduzindo riscos e garantindo a sustentabilidade das operações. A empresa está fazendo investimentos nas ETEs. Detalhes sobre a performance serão divulgados pelo CDP Water.
  • Reuso: para reduzir o consumo de água e o volume de efluentes lançado no meio ambiente, a Marfrig busca fazer o reuso de água em alguns processos que não necessitam que o insumo seja potável. Um exemplo é a reutilização da água na retro lavagem dos filtros das estações de tratamento de água (ETA) para o procedimento na área externa do frigorífico (pátios e vias).

Nos fornecedores, o engajamento às boas práticas de uso da água e tratamento de efluentes se dá por meio do Marfrig Club. No Guia de Práticas Sustentáveis, a Empresa orienta os produtores a protegerem os mananciais de água da propriedade, protegendo-os de contaminações pelas águas residuárias geradas nas moradias, estábulos e demais instalações.