Operações


Três pilares sustentam o manejo humanitário, essenciais para o sucesso da adoção das melhores práticas de bem-estar animal nas atividades:

Operações

Para acompanhar e avaliar as práticas relacionadas a manejo humanitário, a Marfrig adota indicadores específicos e rotina de monitoramentos:

Monitoramentos. A área de bem-estar Animal da Marfrig realiza monitoramentos frequentes nas operações, seguindo sempre os padrões do Instituto Norte-americano de Carne (NAMI), os protocolos de clientes e as legislações vigentes. São considerados diversos indicadores, como número de quedas, escorregões, vocalização, uso do bastão elétrico, eficácia de insensibilização e qualidade do manejo. Também são observados outros números, como mortes, emergências, hematomas (dados resultantes da classificação de hematomas nas meias carcaças), tempo de viagem, comportamento e condições físicas dos animais na chegada e alojamento, além de conforto térmico dos animais, qualidade de estrutura e equipamentos, entre outros.  

De acordo com avaliações internas semanais, baseadas nos padrões NAMI, em 2019 os índices médios verificados estavam em conformidade com os parâmetros considerados aceitáveis pelo instituto:

Parâmetros de Bem-estar Animal Parâmetros aceitáveis Parâmetros obtidos
Eficácia de atordoamento no primeiro disparo No mínimo 96% Superior a 98%
Animais conscientes na calha Inadmissível Nenhum - 0%
Quedas No máximo 1% Inferior a 1%
Escorregões No máximo 3% Inferior a 2%
Utilização do bastão elétrico No máximo 25% Inferior a 15%
Vocalização No máximo 3% Inferior a 1%


Indicadores. Em busca de melhorias contínuas, foram definidos indicadores de desempenho (KPIs, na sigla em inglês) para a área de Bem-estar Animal e estabelecidas metas que serão divulgadas anualmente nos relatórios de sustentabilidade ou outro meio de comunicação da Companhia, vinculado ao tema. 

Estruturas e equipamentos

Referências em pesquisas acadêmicas. O aprimoramento das estruturas e equipamentos é feito com base em trabalhos científicos, comprovados na prática. Um exemplo é a forma de “espinha de peixe”, adotada na construção de praticamente em todos os novos currais, seguindo os conceitos da Dra. Temple Grandin, referência em bem-estar Animal. Os corredores, curvas e seringas circulares também foram adaptados, de forma a ter as laterais fechadas para evitar a distração dos animais.

Conforto térmico. As unidades possuem aspersores que refrescam os animais alojados nas dependências estruturais, sem incomodá-los. Muitas unidades também contam com sistemas de sombreamento, com coberturas específicas e devidamente posicionados, que garantem a circulação de ar e o conforto aos animais.

Acomodações. Buscam seguir as legislações e normas estabelecidas. O alojamento é feito em instalações adequadas, com piso antiderrapante, e higienizadas a cada troca de lote. Também são seguidas as densidades recomendadas, proporcionando ao animal o direito de deitar-se, levantar, locomover-se e ter acesso à alimentação, quando o tempo de espera exceder a quantidade de horas estabelecidas em legislações. Também são oferecidos bebedouros limpos, com água potável e abundante, por todo o tempo de permanência dos animais nesses locais.

 

Insensibilização. As unidades possuem os mais modernos equipamentos de contenção e prévia insensibilização, mantidos de forma adequada e que, em conjunto com os parâmetros recomendados e pessoas treinadas, contribuem de forma positiva na eficácia da insensibilização em 100% dos animais designados a esse método. A eficácia da insensibilização é checada em todos os animais por meio da avaliação dos sinais de inconsciência, que deve ser prolongada. Além dos equipamentos pneumáticos, são disponibilizados outros, portáteis, específicos e exclusivos para uso em ocasiões emergenciais, ou de backup, para que todos os animais sejam insensibilizados o mais rapidamente possível antes de qualquer procedimento que cause dor. Os requisitos exigidos para animais destinados a abates religiosos são mantidos e respeitados de acordo com o requerido pelos clientes, atendendo às práticas humanitárias previstas. 

Treinamentos

Na Marfrig, os treinamentos sobre bem-estar animal são desenvolvidos regularmente, buscando inovações, dinamismo e conscientização para o benefício de todos: animais, manejadores, produtores, transportadores, indústria e consumidor. Todos os anos, as pessoas responsáveis pela manipulação e manejo de animais, do transporte até o abate, são treinadas.
 

Formatos

  • Integração. O tema é abordado desde o programa de integração de novos colaboradores na Companhia, quando representantes da área buscam conscientizar e reforçar a relevância e compromisso ético, que é firmado por meio dos regulamentos internos. 
  • Periódicos. Ao longo do ano, as unidades promovem treinamentos técnicos específicos aos colaboradores e terceiros, capacitação que busca disseminar os procedimentos corretos no manejo dos animais. Em 2019, por exemplo, a agenda de treinamentos sobre bem-estar animal totalizou 359 treinamentos, que somaram 1.154,5 horas.