Marfrig tem lucro recorde de 1,6 bilhão de reais no segundo trimestre de 2020


• Fluxo de caixa livre atinge 3,3 bilhões de reais
• Melhor performance de todos os indicadores financeiros é reflexo da excelência operacional da companhia


São Paulo, 12 de agosto de 2020 -- A Marfrig (B3:MRFG3 e ADR Nível 1: MRRTY), maior fabricante mundial de hambúrgueres e segunda maior empresa global de carne bovina, acaba de apresentar à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) seu resultado fiscal do segundo trimestre de 2020.

Este foi um período de recordes históricos para a companhia -- resultado do desempenho operacional, significativamente acima da média de mercado - e das operações da América do Norte e América do Sul. A receita líquida consolidada atingiu, entre abril e junho deste ano, 18,9 bilhões de reais, um crescimento de 54% em relação ao mesmo período de 2019. O Ebitda Ajustado disparou 266% na comparação anual, passando de 1,1 bilhão para 4,1 bilhões de reais. A margem Ebitda Ajustado atingiu 21,5% neste segundo trimestre -- elevação de 1.247 pontos-base. O lucro líquido do período foi de 1,6 bilhão de reais, contra 87 milhões de reais no segundo trimestre do ano passado -- crescimento de 1.743%. Os números registrados, muito acima das expectativas dos analistas -- foram acompanhados por uma geração de caixa livre de 3,3 bilhões de reais.

Resultado da forte geração de caixa, o índice de alavancagem da Marfrig, medido pela relação de dívida líquida e Ebitda Ajustado dos últimos 12 meses, atingiu seus menores patamares históricos. Foi 1,79 vez, em dólares, e 2,07 vezes, em reais. Um term loan, com prazo de 36 meses e remuneração de Libor mais uma taxa de até 4% ao ano, substituiu um empréstimo ponte de 500 milhões de dólares. Com isso, o prazo médio da dívida da Marfrig foi alongado para 4,4 anos e os vencimentos de longo prazo passaram a representar 82% do endividamento total. "Em um período tão atípico e desafiador, a Marfrig demonstrou sua capacidade de operar o negócio de proteína animal", diz Marcos Molina dos Santos, fundador e presidente do Conselho de Administração da companhia. "Mantivemos todas as nossas plantas ativas e aumentamos a produtividade, garantindo o que há de mais precioso: a segurança e a saúde dos nossos mais de 32 000 colaboradores."

A Marfrig opera na América do Norte, onde detém o controle da National Beef, quarta maior empresa de carne bovina dos Estados Unidos, e na América do Sul, com 20 unidades distribuídas por Brasil, Argentina, Uruguai e Chile. A Operação América do Norte abastece, principalmente, o mercado interno americano e é a maior exportadora de carne resfriada dos Estados Unidos para países asiáticos, como Japão e Coreia do Sul. A Operação América do Sul é a maior exportadora de carne bovina para China, um dos maiores destinos globais para produtos.

No segundo trimestre de 2020, as duas operações da Marfrig -- que, juntas garantem uma configuração geográfica privilegiada -- apresentaram seus melhores resultados históricos.

 

OPERAÇÃO AMÉRICA DO NORTE
Este foi o melhor trimestre, em termos de resultados financeiros, da trajetória da Operação América do Norte da Marfrig. A operação, capitaneada pela National Beef, apresentou recordes de receita líquida, Ebitda e margem. As receitas líquidas atingiram 2,7 bilhões de dólares no período, crescimento de 19% na comparação com o mesmo período de 2019. O lucro bruto foi de 687 milhões de dólares, 138,4% superior ao registrado no mesmo período de 2019. O Ebitda Ajustado aumentou 170,3%, passando de 235 milhões para 635 milhões de dólares. E a margem Ebtida Ajustado chegou a 23,7%, um avanço de 133 pontos-base na comparação anual. Com isso, a operação América do Norte representou, no trimestre, 77% do total de receitas líquidas e 86% do Ebitda consolidado da Marfrig.

Por trás desse resultado estão a robustez do mercado americano que, por conta do isolamento exigido pela pandemia, teve o aumento de consumo e de preços finais, e a queda do custo do gado, provocada por uma maior oferta local.

 

OPERAÇÃO AMÉRICA DO SUL
"A Marfrig comprou bem, processou bem e vendeu bem. Nosso resultado é essencialmente operacional." É assim que, Miguel Gularte, CEO da Operação América do Sul, explica o desempenho da empresa na região no segundo trimestre de 2020. No período, a receita líquida da Operação América do Sul atingiu 4,4 bilhões de reais, crescimento anualizado de 27,7%. O lucro bruto foi de 802 milhões de reais, quase 103% superior ao registrado no segundo trimestre de 2019. A margem bruta atingiu 18,2%. O Ebitda Ajustado foi de 613 milhões de reais, contra 216 milhões de reais no mesmo período do ano passado. A margem Ebitda chegou a 13,9% -- aumento anual de 77 pontos base.

Um dos pilares desse resultado foram justamente os avanços operacionais, iniciados no ano passado com a instituição de um programa de melhoria e eficiência. De março a junho de 2020, foram registrados -- como parte desse programa -- ganhos de rendimento de partes traseiras e dianteiras, redução do custo de embalagem por tonelada, melhoria na produtividade do abate e da desossa e redução do custo fixo, em reais, por boi processado.

Com o maior número de unidades habilitadas a exportar para a China -- 13 no total -- a Operação América do Sul da Marfrig obteve 68% de suas receitas totais provenientes do mercado internacional. Há um ano, essa participação era de 52%. Cerca de 65% das receitas de exportação estão ligadas aos mercados da China e de Hong Kong. "Estamos extremamente bem posicionados para atender o mercado asiático, um dos que mais crescem no mundo", diz Gularte.

No Uruguai, segundo maior mercado exportador da região, o destaque foi o aumento de 33% nas vendas de produtos orgânicos para os países do Nafta -- bloco que reúne Estados Unidos, México e Canadá --, que já representam 13% do volume total exportado.

Mesmo com a crise da covid-19, a operação América do Sul manteve suas unidades em funcionamento, graças à adoção de um rígido protocolo de segurança logo após o decreto de estado de pandemia pela Organização Mundial da Saúde.

 

INOVAÇÃO, SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIAL
Ao mesmo tempo em que trabalhava para garantir a continuidade e a excelência de suas operações, a Marfrig lançou uma série de outras iniciativas para reforçar seus pilares estratégicos. Para contribuir com as comunidades nas quais está incluída, a empresa distribuiu milhões de litros de álcool em gel, EPIs e alimentos. Além disso, doou 100 000 testes rápidos para detecção da covid-19 para o governo Federal, logo nos primeiros dias da crise, e se comprometeu a testar todos os seus 18 000 colaboradores no Brasil.

Um investimento de 50 milhões de reais foi anunciado, recentemente, para aumentar o crédito e alongar prazos de pagamento de pequenos estabelecimentos do food service, um setor duramente atingido pelas restrições impostas pela pandemia.

No pilar da inovação, o marco do período foi a formação, em maio, de uma joint-venture com a americana ADM. A PlantPlus Foods, como a empresa foi batizada, vai produzir, distribuir e vender produtos à base de plantas para os mercados da América do Sul e América do Norte. A Marfrig consolida, assim, sua posição em um dos mercados de alimentação que mais crescem no mundo.

Na frente da sustentabilidade, a companhia foi pioneira ao anunciar, no final de julho, o compromisso de rastrear 100% do gado adquirido e garantir uma produção livre de desmatamento em até 10 anos. O programa Marfrig Verde+, desenvolvido em parceria com a IDH -- Iniciativa para o Comércio Sustentável, prevê ainda a regularização e inclusão de pecuaristas. Na mesma ocasião, a Marfrig anunciou um investimento de 500 milhões de reais em sustentabilidade até 2030.

Resultados 2T20



Voltar