Marfrig anuncia doação de carne no Uruguai


Empresa doará 48 mil latas de carne para complementar cestas de emergência distribuídas pelo Ministério do Desenvolvimento Social uruguaio

São Paulo, 02 de abril de 2020 – A Marfrig informa que, a partir desta semana, passa a colocar em prática uma série de medidas de auxílio às comunidades do Uruguai nesse período da pandemia do Covid-19, país onde a companhia mantém cinco unidades de produção, é a maior empresa de abate e exportação e emprega 3.500 colaboradores.

Uma das medidas anunciadas é a doação de 48 mil latas de carne ao Ministério do Desenvolvimento Social, que usará o produto para complementar as cestas de emergência distribuídas às famílias em situação de vulnerabilidade. Pelos próximos dois meses, semanalmente, a Marfrig também distribuirá 3.500 refeições a base de carne bovina servidas nas cidades nas quais mantém operação: Fray Bentos, Salto, San Jose, Tacuarembó e Tariras.

A Marfrig também instituiu um fundo para contribuição em cada uma de suas plantas uruguaias. Esses fundos concentrarão doações semanais de fornecedores ao Fundo Solidário Covid-19, iniciativa do governo do país para mitigar os efeitos da pandemia de coronavírus.

“É fundamental que todos nós coloquemos nossos maiores esforços para o combate à pandemia", diz Marcelo Secco, CEO da Marfrig no Uruguai. "Temos não só que garantir o abastecimento da população como também operar com a máxima responsabilidade, colocando a saúde e a segurança de nossos colaboradores e suas famílias em primeiro lugar.”

Fornecendo esperança

No Brasil, a Marfrig também anunciou a produção de 10 toneladas mensais de álcool gel em sua unidade de Promissão, no interior de São Paulo, Brasil. O produto -- fundamental à higienização e à prevenção da covid-19 -- será distribuído às unidades instaladas no país, aos colaboradores e a hospitais e instituições assistenciais localizadas nas comunidades onde a companhia opera.

Simultaneamente, a Marfrig anunciou a doação de 7,5 milhões de reais para o Governo Federal para a compra de 100 mil testes rápidos para diagnosticar o novo coronavírus.



Voltar