Menu Interno


Marfrig passa a ter unidades no Oriente Médio


Com a compra da multinacional Keystone Foods, o grupo brasileiro Marfrig, de alimentos, passou a ser dono de unidades no Oriente Médio. O Marfrig já tinha plantas na América do Sul, América do Norte, Ásia, África e Europa e agora, além de mais operações na América do Norte, Europa e Ásia, também terá braços na Austrália, Nova Zelândia e Oriente Médio. Os países árabes do Oriente Médio onde a Keystone Foods mantém operações são Bahrein, Omã, Kuwait, Catar e Emirados Árabes Unidos, segundo informações do site da empresa.

Com a aquisição, o Marfrig passou a ter 151 unidades em 22 países. O anúncio da compra foi feito pelo Marfrig em junho, mas a companhia brasileira só assumiu a Keystone Foods, originalmente norte-americana, no começo deste mês, após aprovação de órgãos antritruste nos Estados Unidos e Europa. A aquisição foi feita por US$ 1,26 bilhão, depois da emissão, por parte do Marfrig, de debêntures no valor de R$ 2,5 bilhões.
A Keystone Foods atua no desenvolvimento, produção, comercialização e distribuição de alimentos feitos com carne bovina, suína, aves e peixes, voltados principalmente para food service. A carteira de clientes que inclui grandes redes internacionais como McDonald's, Campbell's, ConAgra, Yum Brands e Chipotle. Em 2009 a Keystone faturou US$ 6,4 bilhões.

O Marfrig é considerado um dos grupos brasileiros mais internacionalizados e realizou cerca de 40 aquisições nos últimos três anos. No anúncio da compra do Keystone, a empresa informou que era o término do seu processo de compras, pelo menos para os próximos cinco anos. O grupo já era, antes mesmo da última compra, o quarto maior produtor mundial de carne e produtos de carne bovina.

No primeiro semestre deste ano, o Marfrig teve receita bruta de R$ 7,2 bilhões, com crescimento de 43,5% sobre o mesmo período de 2009, quando a receita ficou em R$ 5 bilhões. O mercado externo respondeu por R$ 3,1 bilhões do total da receita e o restante veio das vendas domésticas. O lucro bruto da empresa alcançou R$ 1,2 bilhão e o lucro operacional ficou negativo em R$ 85,3 milhões.

(Portal Avicultura Industria Industrial/SP)

Voltar