Menu Interno


Marfrig amplia programa Qualidade nelore natural


Visando beneficiar os produtores e prepará-los para atender às exigências dos  consumidores, cada vez mais interessados em conhecer a origem do produto que estão adquirindo, o Grupo Marfrig ampliou a parceria com a Associação dos Criadores de Nelore do Brasil, por meio do Programa Qualidade Nelore Natural. O programa, que era desenvolvido apenas na unidade da Marfrig de Bataguassu (MS), será ampliado para outras nove unidades, em quatro estados. A expansão da parceria foi lançada oficialmente durante a 39ª Exposição Internacional do Nelore (Expoinel 2010), realizada em Uberaba (MG). O Programa será implementado até dezembro de 2010 nas unidades da Marfrig de Tangará (MT), Mineiros (GO), Goianira (GO), Pirenópolis (GO), Rio Verde (GO), Chupinguaia (RO), Rolim de Moura (RO) e Ariquemes (RO). Segundo o gerente de pecuária da Marfrig, Leonel Almeida, essas unidades foram selecionadas para iniciar a expansão pela presença de número expressivo de animais Nelore na região, possibilitando agregar maior valor aos animais.

No Programa Qualidade Nelore Natural desenvolvido em Bataguassu os animais são avaliados por um técnico da Associação dentro da própria unidade e, aqueles que atendem às exigências: peso mínimo, acabamento de gordura e idade, são selecionados e os cortes recebem o selo Nelore Natural.

Responsabilidade social e ambiental
Com a expansão, além da classificação dos animais na planta, os técnicos visitarão as propriedades, sendo possível a avaliação desde o início da produção.

Nessa visita, serão trabalhadas e esclarecidas informações sobre as condições de
bem estar animal, além da responsabilidade social e ambiental das propriedades onde esse rebanho é criado. "Com essas informações, é possível conhecer o sistema de produção e informar o cliente sobre as condições do animal, caso seja necessário", explica Leonel.

Através desse trabalho, o consumidor tem a garantia do produto adquirido e o produtor também é beneficiado.

"Além da remuneração superior, que pode ser de até 4% sobre o valor de mercado, ele melhorará de qualidade dos seus animais e do sistema de produção", diz o gerente.

(Jornal Estadão/RO)


Voltar