Menu Interno


Auditoria independente atesta cumprimento do compromisso da Marfrig com a preservação da Amazônia


Consultoria DNV-GL verificou todos os processos de compra de gado da companhia e a operação em unidades instaladas na região do bioma amazônico

São Paulo, 23 de novembro de 2017 – A consultoria internacional independente DNV-GL, especializada em análise de riscos empresariais e ambientais, acaba de finalizar um relatório que atesta a conformidade das operações da divisão Beef da Marfrig Global Foods com o compromisso público com a preservação do bioma Amazônia.
 
O documento foi elaborado com base na análise dos critérios estabelecidos em um pacto inicialmente firmado entre a ONG Greenpeace e os maiores produtores de carnes do Brasil – entre eles a Marfrig –, com o objetivo de combate o desmatamento da floresta amazônica, a violência contra os povos indígenas e o uso de mão-de-obra análogo à escrava na região do Bioma Amazônia, que compreende os estados do Amazonas, Pará, Amapá, Acre, Rondônia, Roraima e partes do Maranhão, Tocantins e Mato Grosso.

No primeiro semestre deste ano, o Greenpeace se desvinculou do acordo, mantido pela Marfrig. A empresa, uma das maiores do mercado global de proteína animal, continua comprometida com práticas como a não aquisição de gado procedente de áreas desmatadas, de conservação ambiental ou que abriguem reservas indígenas. Para isso, mantém um sistema de monitoramento geoespacial das fazendas fornecedoras de animais para abate e também um rígido protocolo de compra de gado em suas quatro unidades localizadas na região do bioma amazônico: Tangará da Serra e Paranatinga, no Mato Grosso, Tucumã, no Pará, e Chupinguaia, em Rondônia.

Realizada entre 31 de agosto e 14 de setembro de 2017, a auditoria da DNV-GL avaliou as compras de animais feitas entre 1 de janeiro a 31 de dezembro de 2016. Pelo quinto ano consecutivo, foi atestada a conformidade das práticas da Marfrig com o compromisso assumido em 2009. “A sustentabilidade ambiental, o bem-estar animal e a cooperação com as comunidades nas quais a Marfrig está inserida são valores que fazemos questão de preservar e difundir”, diz Martín Secco, CEO da Marfrig Global Foods. “Por isso, nos mantivemos fiéis ao compromisso de preservação do bioma amazônico.”

A auditoria

A auditoria independente foi realizada em três etapas: verificação de documentos, informações recolhidas em entrevistas com funcionários e verificação de processos e estrutura física nas unidades.

A primeira fase da avaliação incluiu a checagem do sistema de compra de gado e de bloqueio de fornecedores que não cumprem os critérios socioambientais assumidos pela Marfrig. Também foram realizadas simulações de situações de compra de animais de 45 produtores com uma ou mais restrições – como a inclusão em listas de empresas irregulares do IBAMA ou do Ministério do Trabalho. Testes específicos foram feitos para checar se o sistema da Marfrig aceitaria a geração de pedidos de compra de fornecedores não habilitados no sistema de monitoramento geoespacial da companhia. Nos dois casos, o funcionamento dos sistemas e processos da Marfrig foi atestado pelos auditores.

Na segunda etapa, foram verificadas a qualidade e a funcionalidade do serviço de geomonitoramento utilizado pela companhia, com análises geoespaciais e apresentação de todos os processos para a obtenção dos dados. Na última etapa, a auditoria checou a regularização ambiental e fundiária da cadeia de fornecedores diretos.

“Em todas as etapas, ficou provado que a Marfrig honra seu compromisso de manter as boas práticas de sustentabilidade”, diz Martín Secco. “Mas é fundamental que todos os participantes da cadeia do setor trabalhem para avançar na construção de um sistema que avalie as condições dos fornecedores e prime pela transparência de dados fundamentais ao rastreio da atividade de compra e venda de gado.”

Veja o relatório completo aqui.



Voltar