Menu Interno


Marfrig busca ampliar exportações para a Malásia


Presente na maior parte dos países visitados pela Missão Ásia do Mapa com unidades de sua Divisão Keystone, Companhia apoia esforços para fortalecer presença de produtos brasileiros no continente

São Paulo, 10 de outubro – A Marfrig Global Foods, uma das maiores empresas do mercado de proteína global, apoia as ações do governo do Brasil para expandir as exportações de carne in natura para Ásia e pretende fortalecer os embarques para os países nos quais mantém operações. Com a recém anunciada ampliação do mercado de carnes da Malásia para produtos brasileiros, a perspectiva é de que a exportação de carne produzida pela Divisão Beef da Companhia permita reduzir custos e mitigar riscos das operações de sua unidade de alimentos processados, a Divisão Keystone, naquele país.

Junto com o Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa), executivos da Marfrig participaram da bem-sucedida Missão Ásia, que visa fortalecer a presença de produtos oriundos da agropecuária brasileira em mercados de crescimento acelerado do continente asiático.

“Já investimos na Ásia e agora queremos aprofundar as relações, melhorar as condições para os nossos negócios em diversos países, como a Malásia, onde seria importante ampliar o acesso ao mercado de cortes com ossos de bovinos”, diz o Vice-Presidente de Finanças e Diretor de Relações com Investidores da Marfrig Global Foods, José Eduardo de Oliveira Miron. Atualmente, a Malásia é o maior importador do produto do Sudeste Asiático.

Principal processador de fully cooked meat do país, a Keystone Malásia conta com aproximadamente 900 funcionários e já importa carne bovina in natura brasileira produzida pela Divisão Beef devido a um acordo de 2011 que habilitou os embarques do produto de duas plantas frigoríficas brasileiras, entre elas, uma da Marfrig. “Dos seis países visitados pela Missão Ásia, a Divisão Keystone já está presente na China, Coreia do Sul e Malásia e podemos ajudar o Brasil neste processo de internacionalização”, diz Miron. “Com a ampliação do acesso ao mercado malaio, teremos condições de continuar a aperfeiçoar nosso mix de produtos exportados tanto para nossa Divisão Keystone quanto para outros clientes na região”, completa o executivo.



Voltar