Menu Interno


Churrasco rastreado no Walmart.


O Walmart deu início no Rio Grande do Sul a um projeto que em alguns anos deve permitir que os consumidores conheçam a origem de toda carne e hortifrutigranjeiros comprados nos supermercados controlados pela marca no país.

Atualmente, clientes de quatro mercados Nacional em bairros nobres de Porto Alegre, Auxiliadora, Três Figueiras, Bela Vista e Boa Vista, já podem conferir pela Internet através de um código na embalagem qual é a fazenda de procedência dos cortes especiais para churrasco vendidos na marca Novilho Campeiro.

A novidade é possível graças a tecnologia da pelotense CheckPlant, com o apoio do Mafrig, frigorífico que abate o gado oriundo de 70 fazendas gaúchas que supre as gôndolas do Nacional e de quatro produtores de hortifrutis orgânicos.

No site, o consumidor pode conferir fotos e a localização exata da fazenda criadora, indicada no Google Maps, assim como a data de abatimento no Marfrig.

Quem quiser fazer o teste sem sair da frente do computador pode acessar o site relacionado abaixo e digitar 00334X183F42, a identificação de um corte de picanha mostrada em coletiva de imprensa realizada em Porto Alegre nesta sexta-feira, 17.

"Esperamos ter essa novidade disponível em todos os 100 Nacionais que vendem Novilho Campeiro até a meta de 2011", prevê José Noeli, gerente comercial do Walmart para o Rio Grande do Sul.
é um bocado de carne.

A marca Novilho Campeiro responde por 10% das vendas totais de carne bovina do Nacional no estado, algo em torno de seis a sete toneladas de carne mensais.

Noeli destaca que o custo de implementação da novidade "não revelado pelo Walmart" não será transmitido para o consumidor final.

"O custo é dividido entre nós e os produtores e a vantagem é mostrar que oferecemos um produto com origem garantida", comenta o executivo.

A possibilidade do consumidor rastrear a origem da carne é originada em um acordo assinado entre Walmart, Carrefour e Pão de Açúcar com frigoríficos em 2009, pelo qual os fornecedores se comprometiam a não comprar gado oriundo de fazendas que praticassem desmatamento ou trabalho escravo.

"Esse tipo de informação e garantia será cada vez mais exigida pelos consumidores", acredita Noeli.
Experiente no ramo de carnes, onde atua há 15 anos, o profissional estabelece uma comparação com os cortes vendidos à vácuo, cuja oferta e consumo começaram pequenas e hoje representam metade das vendas.

Fundada por dois ex-alunos de 30 anos da Ciência da Computação da UCPel, com mestrados pela UFSC e Ufrgs, a CheckPlant emprega 15 profissionais das áreas de TI e agronomia em Pelotas.

A empresa é especialmente forte na área de frutas para exportação, onde é grande a exigência dos compradores por rastreabilidade: metade das frutas rastreadas vendidas no país usa tecnologia da CheckPlant

(Portal Folha Online, SP)

Voltar