Menu Interno


Divisão Bovinos Brasil e Seara elevam ganhos da Marfrig


Impulsionada pelo desempenho da divisão de Bovinos Brasil e pela aceleração nas vendas de Seara, além da utilização durante o trimestre inteiro de 3 plantas arrendadas do frigorífico Margem, a Marfrig (MRFG3) conseguiu incremento de 46,6% nas vendas brutas. "A Marfrig apresentou forte crescimento de vendas, impulsionado pela integração e o bom desempenho de Seara. Um ponto que merece destaque é que a companhia está focada em reduzir o seu nível de endividamento, que tende a cair de 3,96x para 3x até o final do ano.

Com a aprovação de compra da Keystone, a integração permitirá que esses níveis sejam ainda mais baixos em 2011. Consideramos a atual cotação dos papéis muito atrativa e recomendamos compra", ressalta Cauê Pinheiro, economista da SLW Corretora.

O principal fator para o ganho da margem bruta foram os menores custos com os grãos, assim como a redução no custo das embalagens. Dessa forma, a margem foi 4,3 pontos percentuais superior na comparação com o segundo trimestre de 2009, atingiu 17,8%. Em comparação ao primeiro trimestre de 2010, houve queda de 2,1 pontos percentuais. No entanto, entre os meses de janeiro a março deste ano, ocorreu um efeito não recorrente, o qual a companhia foi beneficiada por efeitos tributários no valor de R$ 151,6 milhões. Assim, desconsiderando o efeito não recorrente, a margem bruta no primeiro trimestre teria sido de 15,2%, inferior à margem apresentada no segundo trimestre de 2010.

O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) somou R$ 286,3 milhões, o que representa uma alta de 56,1% na comparação com o segundo trimestre de 2009. Houve ganho de 0,4 pontos percentuais de margem. Apesar disso, de acordo com a análise de Pinheiro, o melhor desempenho da conta foi ofuscado pelo aumento do investimento em marketing, a fim de promover principalmente a Seara dentre outras marcas.

Segundo a empresa, através de uma pesquisa da Nielsen foi possível observar o ganho de market share no período.

A margem líquida foi de 3,6%, abaixo do apresentado no segundo trimestre de 2009. No entanto, entre os meses de abril a junho de 2009 a conta acabou favorecida pelo ganho cambial de R$ 502,6 milhões. Na comparação com o primeiro trimestre de 2010, houve ganho de 2,3 pontos percentuais em margem.

(Portal Investimentos e Notícias, SP)



Voltar