Menu Interno


Frigoríficos avançam no monitoramento de fornecedores


Os três maiores frigoríficos do Brasil (JBS/Bertin, Marfrig e Minerva) anunciaram que deixaram de comprar bovinos de 221 fazendas localizadas dentro de terras indígenas, unidades de conservação ou próximas a áreas recém-desmatadas no bioma Amazônia.

A ação é resultado do compromisso assinado, em outubro passado, pelos frigoríficos com o Greenpeace e o Ministério Público Federal do Pará e do Mato Grosso: cadastrar e mapear as fazendas de seus fornecedores diretos. Dessa forma, os frigoríficos estariam aptos a não comprar mais animais oriundos de áreas de proteção ou recém-desmatadas.

De acordo com informações prestadas pelos três frigoríficos à organização ambientalista, além das propriedades embargadas há ainda outras 1.787 propriedades que estão em estado de "verificação". Isso porque elas estão localizadas em um raio de até 10 quilômetros de áreas desmatadas ou protegidas por lei. As empresas declararam também ter o ponto georeferenciado de mais de 12.500 fazendas, número que, segundo elas, representa 100% da cadeia de fornecedores diretos da região.

"Desde a assinatura do acordo passamos a trabalhar mais fortemente em sustentabilidade. E fazemos isso porque a sociedade quer. Nós temos de nos adaptar à nova realidade", diz Marco Bortolon, presidente da Divisão de Carnes Mercosul do JBS.

A empresa investiu no mapeamento de pelo menos um ponto georreferenciado de todas as 9.813 propriedades que fornecem gado bovino ao grupo na Amazônia. Segundo Bortolon, 31 fazendas tiveram o fornecimento interrompido - o que representa um volume inexpressivo de carne para o JBS. Elas estão localizadas em áreas protegidas nos Estados de Rondônia, Acre, Pará e Mato Grosso.

"Todos os alertas de degradação mensais obtidos a partir do DETER serão analisados e os fornecedores que possuírem propriedades localizadas nas imediações da ocorrência serão notificados dos riscos legais, administrativos e comerciais que assumem a partir da ação destrutiva. Com essas ações a JBS visa contribuir efetivamente para a redução do desmatamento no bioma Amazônia e apoiar os seus fornecedores na implantação de boas práticas socioambientais e produtivas", finaliza Bortolon.

Em nota, a Marfrig Alimentos informou ontem que suspendeu o fornecimento de gado de 170 fazendas localizadas no bioma Amazônia a pelo menos 1 quilômetro de novos pontos de desmatamento. "Com isso, garantimos 100% de controle sobre a carne abatida no Bioma Amazônico", disse Ocimar Villela, diretor de Sustentabilidade do Marfrig, cuja produção na região responde por 7% do total da companhia.

Os ambientalistas alertam, no entanto, que para que o estancamento do desmatamento na Amazônia ocorra de forma eficaz e transparente, é indispensável a realização do Cadastro Ambiental Rural (CAR). Ele prevê o georreferenciamento total da propriedade rural e, assim, possibilita a identificação precisa de fornecedores.
JBS, Marfrig e Minerva responderam por 36% do abate na Amazônia em 2009, segundo o Greenpeace. "O restante vem de pequenos, médios e grandes frigoríficos que até agora não assumiram compromisso com o desmatamento zero e vendem seus produtos para o consumidor por meio de supermercados que não limparam suas prateleiras de passivos ambientais e sociais", diz a ONG.

"Na segunda fase, vamos olhar também para os supermercados e os outros frigoríficos que não participaram do acordo", diz Márcio Astrini, da campanha Amazônia do Greenpeace Brasil. Com isso, a organização ambientalista pretende forçar práticas sustentáveis na cadeia inteira, e não somente nos signatários do compromisso.

(Portal Beef Point - SP)

 



Voltar