Menu Interno


Marfrig leva para a Copa de 2010 pecuaristas que mantêm atividades socioambientais em seus processos


Um time de 11 pecuaristas embarca no próximo dia 24 de junho para a África do Sul para torcer pela seleção brasileira de futebol durante sua última participação na primeira fase da Copa do Mundo. A viagem será realizada a convite da Marfrig Alimentos e os pecuaristas selecionados são os vencedores do concurso "Ponha a Pecuária Sustentável em Campo", uma iniciativa da empresa para incentivar e reconhecer o trabalho conduzido por seus fornecedores que desenvolvem práticas socioambientais em seus processos.

"As ações realizadas pela Marfrig são uma forma de chamar a atenção para um assunto de extrema importância. Por estar de acordo com as exigências da empresa e por ter sido um dos sorteados, a obrigação continuar melhorando é renovada", declara José Laerte Cardoso Godoi, fornecedor da unidade de Tangará da Serra (MT) e um dos criadores premiados. A preservação ambiental sempre fez parte da rotina da fazenda, tanto que além de se enquadrar nas legislações ambientais Godoi conduz um rigoroso trabalho de preservação dos mananciais de sua propriedade à beira do Rio Papagaio.

Esta é a mesma postura de outro pecuarista sorteado, João Alberto Moratelli, que também fornece para a unidade de Tangará. Como parte de suas ações de preservação, o pecuarista detém o Cadastro Ambiental Rural (CAR) da propriedade, respeita as áreas de mata ciliar e conduz há 15 anos plantio direto, mantendo o solo sempre coberto com forragem evitando erosão.

Esta iniciativa da Marfrig é reconhecida pelos pecuaristas sorteados, que notam uma crescente necessidade de se adequar a estas determinações a fim de conquistar novas oportunidades de mercado. "Isto também mostra que é possível desenvolver a atividade sem agredir o meio ambiente", acrescenta Moratelli.

A empresa sempre incentivou e orientou seus parceiros a se adequarem às legislações ambientais, tanto que em outubro de 2009 assinou o convênio com o Greenpeace, "Critérios Mínimos para Operações com Gado e Produtos Bovinos em Escala Industrial no Bioma Amazônia", e também foi a primeira a assinar o Termo de Ajuste de Conduta (TAC) com o Ministério da Agricultura de Mato Grosso, em maio de 2010.

Para atender a estes compromissos a Marfrig Alimentos adicionou diversas ações efetivas em seu processo de monitoramento socioambiental, entre elas o cadastramento das propriedades rurais fornecedoras e o monitoramento das propriedades rurais que respondem por mais de 80% do fornecimento de animais para as quatro unidades industriais na Amazônia Legal. Este trabalho é realizado por meio de orientações aos produtores, associações de criadores e Federações de Agricultura, para fomento e apoio ao cadastramento de fornecedores ao sistema de CAR e consulta às listas de áreas embargadas do IBAMA - bem como da relação de propriedades envolvidas com o trabalho escravo, identificadas por meio de levantamento do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Entre os 200 pecuaristas aptos a participarem do sorteio "Ponha a Pecuária Sustentável em Campo", estavam aqueles da região da Amazônia Legal que forneceram gado ao menos uma vez à empresa entre 01 de abril de 2009 até a data de sua inscrição, em abril de 2010, munidos do CAR, documento que assegura a regularidade ambiental da propriedade, ou que estejam em processo de obtenção do cadastro, ou já disponham da Licença Ambiental Única (LAU) para fornecimento nas quatro unidades da Marfrig em Mato Grosso (Tangará da Serra e Paranatinga) e Rondônia (Chupinguaia e Ariquemes).

Para o diretor de sustentabilidade da Marfrig, Ocimar Villela, a empresa tem demonstrado constantemente sua atuação conjunta com fornecedores, preocupada com a rastreabilidade da produção, não só com assistência técnica para as adequações, mas incentivando com prêmio. "Nosso objetivo é fazer com que eles olhem também para a questão ambiental e social nas suas propriedades como uma forma de ganhar mercado. Toda a cadeia precisa estar atenta a estas exigências", conclui.



Voltar