Menu Interno


Timing nada mais é que uma perfeita integração.


Não é novidade que vivemos num mundo que experimenta uma integração e velocidade de informações incríveis. Hoje muitas mulheres trocariam seu marido, sem pensar duas vezes, por aquele sapato de sola vermelha, seja o marido europeu ou sul-americano.

A moda em Paris desfila nas ruas de Shangai. A banda que está no trending topics do Twitter Nova York é a banda do momento no Japão.

Com um simples movimento de dedos, acessamos um universo de assunto e escolhas. Escolhas que, na grande maioria das vezes, são influenciadas pela boa e velha propaganda. Claro, o termo "velha propaganda" aqui mencionado é uma mera força  de expressão, até mesmo porque se a idéia é velha, já nasceu morta.
Campanhas eternizadas na história carregam idéias que não só traduzem muito bem a relação produto X consumidor, mas também acertam em cheio no timing em que são comunicadas. E, no cenário atual, cada vez mais esse timing é fator decisivo de sucesso de uma campanha; Ele transforma boas idéias em fantásticas e até tem a capacidade de fazer uma idéia ruim desfilar a passos majestosos de Gisele Bundchen.

A Copa do Mundo acaba de terminar e, com isso, exemplificou a relação idéia X timing com duas marcas que foram cirúrgicas na elaboração de suas ações: Nike e Seara, nas Copas de 2006 e 2010, respectivamente. Afinal, quem não se lembra do Ronaldinho Gaúcho acertando miraculosamente a trave por três vezes consecutivas? E nos últimos dias, que não ouviu na mesa de bar seus amigos perguntando: "Você viu a molecado do Santos dançando Single Ladies?".

A primeira coisa que vem à cabeça quando nos lembramos da ação da Nike é: "que idéia fantástica! Um vídeo com baixo custo de produção, R$ 0,00 investidos em mídia e uma exposição, literalmente, do tamanho do mundo".

1. Ronaldinho Gaúcho, a estrela da campanha, era o jogador mais cobiçado do mundo na época. Afinal, tinha acabado de faturar o prêmio de melhor jogador do mundo pela Fifa no ano anterior;

2. Em 2006 os internautas estavam descobrindo o fenômeno YouTube. Podemos dizer que foi nesse ano em que o vídeo na internet começou, de fato, a explodir;

3. A ação foi lançada às vésperas daquela Copa do Mundo.;

4. E, obviamente, a idéia era boa.

Resultado: até hoje tem gente em todos os cantos do mundo tentando acertar a trave por três vezes consecutivas.

E, agora, voltando para 2010, a Seara juntou todos esses fatores numa campanha que obteve uma repercussão fantástica. A ação, além de uma boa idéia, reuniu:

1. Um hit fenômeno mundial, a Beyoncé;

2. Os todo-mundo-queria-na-Seleção Neymar, Ganso e Robinho como astros;

3. Um investimento considerável.

E tudo isso, às vésperas da tão esperada convocação da Seleção Brasileira.
Bingo. Até o Dunga, ainda que implicitamente, fez uma menção à ação em plena coletiva pós-convocação. Fantástico.

É isso, como você pode perceber, o macrocontexto que envolve uma idéia é tão importante quanto a própria idéia. E nos tempos atuais, estar conectado com o mundo, antenado a tendências globais e atento à velocidade dessas informações faz toda a diferença no processo criativo de uma campanha. È onde se encontra o timing perfeito e consequentemente a tão desejada big Idea.

E, para aqueles que ainda se perguntam, o timing nada mais é que uma perfeita integração entre criação e planejamento estratégico.

                                                                                                            * diretor de criação da Havas Digital

(Jornal Propaganda e Marketing)



Voltar