Menu Interno


CBF faz mais um belo gol, mas fora de campo


Num ano em que o futebol brasileiro fracassou na Copa disputada na África do Sul, a CBF demonstrou habilidade no mundo dos negócios e conseguiu aumentar o faturamento com a renegociação de alguns contratos. Com os reajustes, a CBF passará a receber em torno de R$ 250 milhões por ano de suas dez patrocinadoras. Ontem, a entidade e a Seara, indústria de alimentos, anunciaram um incremento na parceria iniciada em março. O acordo ampliou para 2026 o contrato que seria até 2014 e estabeleceu novos valores. A cota de patrocínio da Seara subiu de R$ 10,7 milhões anuais para cerca de R$ 33,3 milhões. Em troca, a Seara poderá expor sua marca na parte de trás das camisas de treinos de todas as categorias de seleções vinculadas à CBF. O espaço era reservado à Ambev, que também refez seu contrato com a entidade. A companhia de bebidas vai manter a propaganda apenas na parte da frente das camisas e ainda assim pagará um pouco mais à confederação. Seara e Ambev formam o primeiro escalão dos patrocinadores da seleção, ao lado de Nike, Itaú e Vivo. Outras empresas que têm parceria com a entidade são a Gillette, Volkswagem, Nestlé, TAM e Hipermercado Extra, única cujo contrato ainda está em fase de renovação. Festa. Para divulgar a nova relação com a CBF, a Seara realizou evento num restaurante da zona sul do Rio. Entre os convidados se destacava o atacante Robinho, do Milan. Saudado por frequentadores e funcionários do local, ele vestiu a camisa de treinos da seleção e prometeu um 2011 proveitoso para a seleção. Disse que o amistoso com a França, em fevereiro, e a Copa América, em julho, serão testes importantes para a seleção comandada por Mano Menezes. Previu dificuldades principalmente no jogo em Paris. "Não tem essa de amistoso quando Brasil e França se enfrentam." Sempre bem-humorado, Robinho posou para fotos e depois negou que estaria negociando sua volta para algum clube do Brasil. "Estou muito bem no Milan, que iniciou a temporada com toda a força."

(Jornal O Estado de S.Paulo, 24/12/10)



Voltar