Menu Interno


Cuidados redobrados com as aves natalinas.


Fornecer aves natalinas para a indústria coloca o produtor em um patamar diferenciado de remuneração e de qualidade, mas exige cuidados redobrados e maiores gastos. A genética mais apurada das linhagens utilizadas para os frangos consumidos no Natal demanda uma série de detalhes para que os animais possam expressar seu potencial de coxa e peito maiores. A começar pela alimentação, já que os maiores vão para o abate com cerca de 4 quilos, diferente de um frango comum que é abatido com 2,5 quilos. "São animais alimentados por mais tempo, mas não se quer que eles fiquem mais gordos, e sim que tenham mais carne", explica o diretor técnico da Asgav, José Franco.

Para conseguir este resultado, o criador deve alimentar os animais com milho e soja, mas com quantidades diferentes de vitaminas e minerais do que a fornecida ao frango comum. "O segredo está no manejo do criatório. Não adianta raça nem comida especial se o manejo não for bem feito", sentencia.

O peru é a ave preferida para consumo dos gaúchos nas festas de final de ano, especialmente no Natal. Dos 50 milhões de perus abatidos anualmente no Brasil, 20% costumam ser destinados ao consumo nesta época.
Mas assim como os frangos de linhagens diferenciadas produzidos para consumo nesta data, a ave requer tratamento especial de manejo para garantir o resultado esperado. "A criação de peru exige cuidados mais apurados quanto à cama, à ventilação e ao aquecimento. Sendo uma ave mais sensível, esses cuidados precisam ser monitorados mais vezes ao dia durante a criação", afirma o supervisor de agropecuária perus do Marfrig no RS, Dimas Rotava.

Ele explica que as aves são criadas em duas fases. A primeira estende-se do 1º até o 28º dia, quando o peru é denominado iniciador. "É a que exige mais atenção, porque é mais sensível e precisa ser estimulada a consumir a ração." A ventilação também tem um papel importante, pois o bem-estar do animal influenciará em sua alimentação. Rotava ensina que é preciso renovar o ar de hora em hora. A primeira fase é mais crítica. Após esse período, a ave vai para o terminador.

A alimentação dos animais é composta por sementes de grãos como milho, farelo de soja, minerais e vitaminas necessárias para o bom desenvolvimento. Rotava explica que, para a época de Natal, são usadas as fêmeas por terem carcaça mais bonita. A partir de julho, as aves são abatidas com 4,5 quilos, aos 70 dias. "Potencialmente, podemos abater um macho com 16 quilos. Mas fazer isso com quatro quilos é uma perda."

(Jornal Correio do Povo, Caderno Rural, RS)

Voltar