Menu Interno


Grupo Única: certificadora cobra espaço em decisões do Sisbov


Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, Ministério da Agricultura e Congresso Nacional receberão, neste mês, ofício solicitando assento para as certificadoras nos comitês consultivos e grupos técnicos envolvidos nas decisões sobre a rastreabilidade de bovinos, especialmente relativas ao Sisbov, em reestruturação.

Esta é a primeira ofensiva do Grupo Única, que passa a atuar no lugar da Associação das Empresas de Certificação e Rastreabilidade Agropecuária, extinta há seis meses. Com respaldo de 28 certificadoras e seis empresas fabricantes de brincos, o grupo pretende propor ações construtivas para manter a credibilidade do atual sistema. Representantes do grupo estiveram com o presidente da Abiec, Antônio Camardelli, propondo trabalho conjunto para elevar a oferta de bois rastreados para a União Europeia. O país tem hoje cerca de 2,5 mil propriedades habilitadas.

De acordo com o presidente do Grupo Única, Luciano Medici Antunes, a pressão das indústrias exportadoras por matéria-prima reaqueceu o Sisbov. Ele acrescenta que o investimento feito agora pelo produtor não será perdido, pois, pelas regras do ministério, animais incluídos em sistemas anteriores serão validados em eventuais novos modelos.

Defensor do atual modelo, o invernador Araci Barcelos, de Dom Pedrito, provoca os que consideram baixa a bonificação de R$ 100,00 por animal rastreado pagos atualmente pelos frigoríficos. Fornecedor regular do Marfrig, o confinador desafia apresentação de investimentos com maior retorno por cabeça do que o atual plus recebido.

(Portal Beef Point/SP)


Voltar